Sportingbet – onde a emoção do futebol luta com a política do medo

E ainda assim, apesar de todas as advertências, houve uma qualidade distintamente frágil para a França 2016. Dez dias depois da décima edição da versão moderna do Campeonato Europeu, às vezes foi difícil não olhar ao redor da periferia, e mesmo os interiores do estádio brilhosamente reestilizados, e sentem uma trepidação inesperada.

O esporte nunca pode existir no vácuo. Organizar um torneio europeu em um momento em que grande parte da Europa é incomodada por um tipo peculiar de Sportingbet bonus angústia sempre se sentiria como se estivesse segurando um gazebo de plástico e tentando realizar uma festa de aniversário assim que a tempestade se prepara para quebrar. Em campo, o futebol tem sido emocionante às vezes.Les Liaisons Dangereuses, talvez. Ou simplesmente La Nausée. França 2016: o verão chegou e chegou a hora de lutar nas ruas. Não é surpresa que a segurança cotidiana tenha sido um pouco negligente, o policiamento de uma minoria tóxica se estendeu e se reformulou no casco. . Paris parecia um local cauteloso e desgastado mesmo antes da noite de abertura do Stade de France, decorada no campo pelo brilhantismo de Dimitri Payet. Este é um país ainda em estado de emergência oficial, preparado para outro ataque mais amplo ao seu interior.

A atenção concentrou-se agora. Proibições de bebida estão sendo confundidas. As cidades anfitriãs da Inglaterra e da Rússia enfrentarão um Sportingbet Brasil bloqueio intensivo.E talvez, quem sabe, daqui possamos até falar sobre o futebol, que tem sido, se não implacavelmente alto grau, então emocionante e competitivo.

Os ligeiros afundamentos e rangidos do formato expandido foi evidente. Existem muitas equipes na França. Ou pelo menos muitos que não fizeram nada realmente interessante para ganhar um lugar no torneio, o que é idealmente recompensado por algum triunfo de desenvolvimento ou coaching, uma rara junção de talentos. Turquia, Ucrânia e Rússia – boa com a briga, não tão boa com a bola – pareciam passageiros.

Outros têm proporcionado um raro desabrochar do fenômeno de um superstar mais 10. Os estágios iniciais da Áustria contra a Hungria pareciam um pouco como 21 outros caras haviam ganhado uma rifa para jogar uma partida de futebol com David Alaba.Mas com 36 jogos em duas semanas para cortar apenas oito equipes do empate, o aumento da intensidade para a fase eliminatória será tardio, mas esperamos que seja profundo.

De lá, parece um campo aberto, um Euros que poderiam ser assumidos por qualquer time capaz de reunir dois bons jogos. A França continua sendo um favorito convincente. A vantagem em casa tem um longo caminho, assim como uma safra de meio-campistas empolgantes e talentosos. Payet tem sido a história mais sedutora até agora, uma fonte de criatividade implacavelmente inteligente.É difícil evitar a sensação de que a Inglaterra atingiu um ponto anglo-ideal ideal: um time com talento suficiente para levantar esperanças tentadoras; e um gerente confuso o Sportingbet suficiente para militá-los, levantando o espectro de sentimentos familiares de angústia, arrependimento, anos de dor e todo o resto. O que é uma pena, porque a Inglaterra tem sido enérgica e divertida, se for constrangida pelo excesso de pensamento de um técnico que está desconfortavelmente cheio de poder de ataque.

Houve algumas variações táticas e estruturais interessantes. Os gols chegaram atrasados, muitas vezes nos últimos instantes, quando as defesas bem definidas finalmente rangem. No Euro 2012, 58% de todos os gols aconteceram no segundo semestre. Até hoje, esse número é de 70%.Apesar de algumas sobrancelhas iniciais, a porcentagem de gols marcados de um cruzamento (42%) está ligeiramente abaixo de todo o torneio da última vez.

O que mudou desde a última Copa do Mundo é a falta de gols de contra-ataque. . Se o Brasil 2014 foi marcado inicialmente pelo espetáculo de missões de cobrança massivas no meio do caminho – os berserkers tatuados do Chile, a bola longa de Louis van Gaal – então na Europa a porta foi fechada com apenas três objetivos de contra-ataque até agora, dois deles os últimos momentos contra adversários esticados. Outro desenvolvimento, encorajador para aqueles acostumados ao fetichismo de celebridade do futebol moderno, é a falta de estrelas óbvias e o domínio do jogo em equipe. Um cínico pode sugerir que isso faz parte de uma falta maior de talentos de geração única neste torneio.Há apenas um vencedor do Ballon D’Or aqui. Na hora de escrever seus Euros foram pouco mais que um passeio e um gemido. Caso contrário, apenas Iniesta e Manuel Neuer conseguiram um pódio em Zurique.

Existe uma grande variedade de talentos. Marek Hamsik foi um excelente meio-campista na 24ª posição do ranking mundial. A Bélgica está recheada de uma excelência até então inativa. Além disso, o padrão de jogo foi às vezes sufocante, lembrando uma fase de grupos bem treinada da Liga dos Campeões. Se tiver sido um pouco cauteloso, há muito mais vindo de quase todas essas equipes.

Como existe no próprio torneio. Apesar de todas as mãos corporativas e da inanidade do clichê de fãs do futebol de todo o mundo, o esporte nessa escala é, no fundo, um meio de unir as pessoas.Tem sido assim para a maioria, com muita mistura bem-humorada, e não apenas do irlandês levemente maníaco e amigável, que ainda pode sofrer a primeira prisão do torneio por abraços ofensivamente excessivos, mudanças espontâneas de carros , dominar a bonomia de corpo inteiro.

Fora do campo, a França 2016 ainda pode refletir, até certo ponto, o estado da França em 2016 e, de fato, a própria Europa. A política da ansiedade e do medo já se intrometeu nos cantos mais escuros. A ameaça de uma desintegração mais ampla continuará a perdurar no limite das coisas. Ainda assim, porém, os jogos continuam, com a esperança de que todos os empecilhos e soluços e flares menores estejam atrás de nós, a verdadeira intriga esportiva à frente.

Rate this post